quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Doutora da Unicamp defende depredação da escola


Depredar como forma legítima de criticar


Para a pedagoga Áurea Guimarães, depredar escola é apenas uma manifestação crítica do aluno, que deve ser estimulada pelo professor. Ela não admite nem mesmo que o aluno sinta remorso por depredar a escola. Na prática, é a educação brasileira formando psicopatas mirins.


Em memória do prof. José Vieira Carneiro (1957-2001), vítima da pedagogia

Depredar a escola é uma forma legítima de contestação por parte do aluno, que, ao agir assim, está apenas sendo crítico em face do autoritarismo de diretores e professores. Cabe à escola aprofundar essa ação crítica, ao invés de condená-la. É o que defende, em trabalhos acadêmicos, a Dra. Áurea Maria Guimarães, professora titular da Unicamp e uma das mais requisitadas autoridades pedagógicas do país quando o assunto é violência e indisciplina nas escolas. Até 30 de março de 2007, Áurea Guimarães já havia orientado seis dissertações de mestrado e três de doutorado e estava orientando duas dissertações e duas teses. Também já havia participado, em várias universidades, inclusive na USP, de 25 bancas examinadoras de mestrado e 12 de doutorado, além de 11 bancas de qualificação de doutorado.

Graduada e licenciada em Ciências Sociais pela USP (1974-75) e mestre em Filosofia Social pela PUC de Campinas (1984), Áurea Guimarães defendeu seu doutorado em Filosofia e História da Educação na Unicamp em 1990, com a tese "A depredação escolar e a dinâmica da violência", sob a orientação do Dr. Newton Aquiles Von Zuben. Publicada em livro, com o título A Dinâmica da Violência Escolar: Conflitos e Ambigüidades (Editora Autores Associados, 1996, 172 páginas), sua tese de doutorado foi reeditada em 2005, pela mesma editora. Esta análise baseia-se não no livro, mas no texto original da tese de doutorado, um volume de 477 páginas, que será esmiuçado por partes, na medida do possível.

Em 1985, Áurea Guimarães defendeu sua dissertação de mestrado, também na Unicamp, publicada sob o sintomático título de Vigilância, Punição e Depredação Escolar (Campinas, Papirus, 2ª ed., 1988). Baseando-se na obra de Michel Foucault, especialmente nos livros Vigiar e Punir e Microfísica do Poder, sua dissertação de mestrado trata a escola como uma prisão, afirmando que o seu caráter repressivo é que provoca as depredações por parte dos alunos. Sua dissertação chegou a ser alvo de uma dura crítica científica, fato raro na vida acadêmica brasileira. No artigo Possíveis incompletudes e equívocos dos discursos sobre a questão da disciplina (Revista Educação e Sociedade, Vol. 19, nº 62, Campinas, Abril de 1998), o professor Luiz Carlos Faria da Silva, doutor em educação pela Unicamp e professor da Universidade Estadual de Maringá, critica os equívocos de Áurea Guimarães ao se apropriar de Foucault:


"Amiúde, os textos escritos pelos pedagogos cujo intuito é a análise da questão das relações entre educação e disciplina centram-se na categoria de poder tal qual a tematiza Michel Foucault. Isto é, por exemplo, o que faz Áurea Guimarães. Entretanto, estes autores parecem não dar muita importância ao fato de existir uma grande distância entre suas posturas teóricas e as de Michel Foucault."


Luiz Carlos Faria da Silva observa que relacionar educação e disciplina com base em Foucault sem rejeitar a centralidade do sujeito inerente à metodologia e à ontologia da obra do autor francês leva a problemas incontornáveis. No caso de Áurea Guimarães, ela parte de uma visão antropológica e teleológica da história, mas, para operacionalizar em sua pesquisa essa visão de mundo, recorre exatamente a um autor que aposta na exclusão do sujeito e na descontinuidade da história. Essa "síncope analítica" — observa Faria da Silva — resulta num "processo generalizado de desqualificação e de desautorização da disciplina", que deixa de ser reconhecida como "mediação necessária e imprescindível à ação humana em geral, e à ação educativa em especial":


"O poder e a autoridade são internos e inseparáveis do processo educativo no qual interferem consciências que dirigem e regulam as ações. Essa direção e essa regulação são construídas na história dos conflitos vividos socialmente e são obra dos homens e produto de suas ações conscientes. Exorcizar o poder e a autoridade, esvaziar as ações humanas e as ações educativas do conteúdo representado pela necessidade de direção e controle, que buscam encontrar os meios mais adequados aos fins a serem realizados, é esterilizar as mesmas e mergulhá-las na intransitividade, na abulia; é condená-las a ser um arremedo ligeiramente melhorado da atividade animal."


Se em sua dissertação de mestrado, Áurea Guimarães se apropriou de Michel Foucault sem discernimento, — como demonstra Faria da Silva, — em sua tese de doutorado ela apropria-se de Michel Maffesoli com deslumbramento. A mudança de guru foi reforçada pelo curso A Cultura Pós-Moderna, ministrado pelo próprio Maffesoli, na Escola de Comunicação e Artes da USP, de 18 de outubro a 1º de novembro de 1989. Aluna desse curso do sociólogo francês, a autora transcreve em sua tese anotações de aula:


"Cultura é o aspecto global do cotidiano. O modo de comer, de vestir, de utilizar o tempo, enfim o modo de viver. Costuma-se considerar cultura apenas as grandes obras da cultura, mas, na visão de Maffesoli, o cotidiano é o lençol freático da cultura. É por esse enfoque que se compreende a cultura cotidiana e a questão das mudanças de valores. Conforme anotações do curso 'A Cultura Pós-Moderna'."


Por trás das tautológicas anotações de Áurea Guimarães transparece a sua falta de leitura dos clássicos. Um século depois da afirmação da antropologia como ciência, ela ainda acredita que dissociar "cultura" de "grandes obras" é uma novidade teórica, capaz de promover uma revolução do conhecimento. Desde a consolidação científica da antropologia, na primeira metade do século XX, o conceito de cultura deixou de se limitar à exegese das grandes obras de arte para descrever a vida do homem em sua totalidade. Em sua obra, iniciada com a publicação do clássico Casa Grande & Senzala em 1933, o brasileiro Gilberto Freyre (1900-1987) já usa o conceito de cultura nessa acepção, ocupando-se dos costumes, da culinária, da vestimenta, dos gestuais, enfim, da totalidade da vida, para alicerçar a positividade da miscigenação na sociedade brasileira. Por sua vez, o antropólogo norte-americano Ralph Linton (1893-1953), no clássico O Homem: Uma Introdução à Antropologia (Livraria Martins Editora, 1959, 3ª Ed.), publicado originalmente em 1936, já contesta seus contemporâneos que insistiam em considerar Aristóteles como "o último homem a possuir a soma total dos conhecimentos de seu tempo":


"A afirmativa é absurda mesmo à primeira vista, porque já na época de Aristóteles existiam milhares de culturas das quais ele não conhecia nem sequer a existência, quanto mais o conteúdo. Aristóteles certamente não sabia atirar um boomerang nem obter a tinta do jenipapo. Pode ser que Aristóteles tenha conhecido tudo a respeito da filosofia, da literatura e da arte, mas provavelmente não saberia forjar, temperar uma espada, fazer uma armadilha para lobos ou dizer em que ponto podem ser encontrados mais facilmente os lúcidos. O conhecimento destas cousas fazia parte da cultura grega, tanto quanto as peças de Eurípedes ou as especulações de Platão." (p.102)


Entretanto, o mais grave erro de Áurea Guimarães não é o uso equivocado que faz de determinadas teorias e, sim, as implicações éticas de suas pesquisas para a educação brasileira. Sua obra acadêmica é um repúdio à disciplina, com base numa visão distorcida da realidade. Para ela, a escola é uma prisão e a suposta opressão que impõe aos alunos tem de ser denunciada. A autora vem fazendo esse tipo de afirmação tanto no que diz respeito à escola da década de 80 quanto em relação à escola do novo século, sem perceber que, nesse espaço de duas décadas, se havia algum autoritarismo nas escolas, ele já deixou há muito de existir. Mas nem é necessário recorrer ao tempo para desmentir a afirmação de Áurea Guimarães. Ela própria se desmente ao descrever as escolas que lhe serviram de objeto de pesquisa. Os alunos pesquisados por ela não se comportavam como se estivessem numa prisão — mais pareciam estar numa praça pública. A despeito dessa realidade que salta aos olhos, a autora prefere ver o mundo com a viseira da ideologia e afirma ter constatado que a depredação escolar era uma forma de contestação crítica por parte dos alunos. Confira, textualmente, o que escreve a Dra. Áurea Guimarães, professora titular da Unicamp:


"A depredação escolar surgia como uma forma de contestação aos modos pelos quais a uniformização se expressava, isto é, à vigilância e à punição. A depredação também abria um campo delimitado de violência sobre o qual era possível localizar os indivíduos portadores de um potencial desviante. De certo modo, a escola pretendia reduzir as depredações, esquadrinhando comportamentos, distinguindo os 'bons' dos 'maus' alunos. O padrão estabelecido era o do 'bom' aluno, aquele que não depredava a escola, quem depredava era o 'marginal', o 'mau' aluno. Esse procedimento impedia que a depredação resultasse em formas mais amplas de manifestação e que os alunos radicalizassem suas críticas à escola, pois eles mesmo acabavam associando depredação com 'marginalidade', e muitos até se culpavam por suas reações, não percebendo que a violência primeira partia da própria escola e que a depredação, na sua ambigüidade, expressava tanto uma forma de contestação, como uma maneira que a administração encontrava para neutralizar as ações que visassem críticas à escola." (grifos meus)


Se houvesse um Código de Ética do Magistério, Áurea Guimarães estaria em maus lençóis. Uma pedagoga justificar a depredação da escola como resposta do aluno ao autoritarismo dos mestres é como um médico defender que uma criança tem o direito de se automedicar em resposta à enfermeira autoritária que lhe aplica injeção no bumbum. Se um médico apresentasse uma tese dessas na faculdade de medicina, seria não apenas reprovado, mas também condenado pelo CRM, correndo o risco de perder a licença profissional. Por que na educação se dá o contrário e, em lugar de ser condenado, quem defende esse tipo de tese se torna autoridade pedagógica? Diante da crescente violência de alunos contra professores, chegando ao assassinato, esse tipo de pensamento mais parece terrorismo pedagógico: além de ser uma vítima física de alunos predadores, o professor da escola básica é uma vítima moral das faculdades de pedagogia.

Exemplo dessa tragédia cotidiana das escolas brasileiras foi o que ocorreu numa escola estadual de São Bernardo do Campo, em 9 de novembro de 2001, quando um aluno resolveu “radicalizar suas críticas” à escola e um professor acabou assassinado. Além de uns poucos dados colhidos na imprensa local e na revista Época (a mídia deu pouca importância ao caso), as informações que se seguem foram obtidas, por mim, para minha dissertação de mestrado, no final de fevereiro de 2002, em conversas telefônicas com a viúva do professor assassinado e com um dos diretores da Apeoesp (o Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo).

Enquanto dava aula, o professor de geografia José Vieira Carneiro havia posto seu molho de chaves em cima da mesa. Um aluno de 17 anos pegou as chaves e começou a girá-las. O professor pediu-lhe que parasse com a brincadeira porque poderia provocar um acidente, caso uma chave se soltasse. Irritado com o pedido, o aluno deu um soco no rosto do professor, com as chaves enfiadas entre os dedos, e elas ficaram cravadas na fronte do mestre. Socorrido por um colega, o professor foi levado ao hospital, onde o médico procedeu à retirada da chave. O paciente teve alta, mas continuou sentindo dores de cabeça. Voltou a passar mal dias depois, sendo levado às pressas para o hospital, em 24 de novembro de 2001, quando morreu em conseqüência de hemorragia interna provocada pelo ferimento com a chave.

A morte do professor de São Bernardo do Campo foi tratada com relativa indiferença pelas autoridades pedagógicas e pelos meios de comunicação. Sem dúvida, por influência da pedagogia do crime que se traveste de pedagogia progressista nas universidades brasileiras. Como freqüentemente acontece na abordagem da violência de alunos contra professores, a culpa acaba sendo da vítima (o professor), acusado de ser autoritário. No trágico caso de São Bernardo do Campo, essa inversão da culpa começou na própria escola. Como a agressão se deu na primeira aula, o diretor (que não estava no estabelecimento, sendo comunicado do fato por telefone) foi à escola e determinou que as aulas tivessem continuidade, inclusive para a turma em que ocorreu o incidente. A sala foi limpa do sangue do professor e os alunos continuaram a estudar, como se nada tivesse ocorrido. Nas poucas reportagens de jornal veiculadas sobre o caso, a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo recusou-se a fazer qualquer pronunciamento a respeito. A morte de um cachorro talvez merecesse mais consideração.

E o que é mais grave: o diretor da escola deu declaração à imprensa, desculpando o aluno, que, segundo ele, agiu sem querer. Segundo a versão oficial, a chave ter-se-ia desprendido do chaveiro acidentalmente e cravado na testa do professor, como se chave fosse peixeira. Somente se o chaveiro fora usado como soco inglês, a chave ficaria cravada na testa do professor. Mas a culpa por essa tentativa de desvirtuar os fatos para desculpar o aluno não pode recair apenas no diretor. Sem dúvida, ele tem curso superior e deve ter sido aluno de doutores como Áurea Guimarães que estão sempre dispostos a justificar qualquer transgressão dos estudantes.

A se crer nessa ideologia insana que tomou conta das universidades brasileiras, o aluno de São Bernardo apenas percebeu que "a violência primeira partia da própria escola" e não lhe convinha deixar que "a escola neutralizasse suas ações", impedindo-o de girar a chave como bem entendesse, atrapalhando o professor explicar a matéria. Por isso, enquanto a "forma de contestação" dos alunos pesquisados por Áurea Guimarães foi a depredação do prédio da escola, como se ele pudesse ser culpado de alguma coisa, o algoz do professor José Carneiro foi mais arguto — ele percebeu que um simples prédio não pode ser culpado pelo "autoritarismo" de que era vítima, então, "radicalizando sua crítica à escola", resolveu depredar o próprio professor.

É claro que casos como o de São Bernardo do Campo não são rotineiros, mas o caldo de cultura universitária que os torna possível nas escolas, sem dúvida, o é. Ao equiparar "depredação" com "crítica", chegando a condenar a escola por considerar o aluno predador como mau aluno, a autora faz uma descarada apologia da barbárie em detrimento da civilização. O caráter imoral dessa tese é auto-evidente, mas como a universidade brasileira virou uma Casa Verde, abrigo das maiores insanidades, é preciso recorrer a uma parábola para tornar a loucura mais explícita.

Suponhamos que Áurea Guimarães não fosse uma privilegiada professora titular da Unicamp, mas uma faxineira, trabalhando de sol a sol para dar uma vida digna ao filho. Suponhamos ainda que o menino correspondesse aos seus anseios, apresentando um comportamento exemplar, fazendo as tarefas de casa e tirando boas notas na escola. Pois bem, num certo dia, ao chegar exausta do trabalho, a faxineira Áurea depara com um calombo na testa do filho. Ao perguntar-lhe o que aconteceu, descobre que se trata de uma "pedra perdida", atirada por um aluno que estava querendo quebrar a vidraça da escola. Diante desse fato, o que a faxineira pode esperar da escola? Obviamente, a punição do aluno que feriu seu filho. E, se isso não for possível, que pelo menos a escola evidencie a diferença moral subjacente ao caso — um bom aluno foi ferido por um mau aluno. Se a escola não reconhecer ao menos isso, não resta dúvida que o filho exemplar da sofrida faxineira vai-se sentir duplamente injustiçado — ferido na pele e na alma. Felizmente, para a professora universitária Áurea, o caso da sofrida faxineira Áurea é apenas uma hipótese. Mas uma hipótese provável, levando em conta que as escolas são pautadas por teses como essa da privilegiada doutora da Unicamp.

Mais grave é que, além de justificar a depredação da escola, Áurea Guimarães não quer que o mau aluno se arrependa do seu ato. Ela lamenta que o discurso dos professores condenando a depredação tenha encontrado eco em muitos alunos:


"Muitos até se culpavam por suas reações, não percebendo que a violência primeira partia da própria escola e que a depredação expressava tanto uma forma de contestação, como uma maneira que a administração encontrava para neutralizar as ações que visassem críticas à escola."


Novamente é preciso chamar atenção para a gravidade das afirmações da autora. Além de defender a depredação, Áurea Guimarães não quer que o aluno se sinta culpado por depredar a escola. É como se depredar fosse um direito inalienável do aluno, que não deve sentir remorso por quebrar carteiras e vidraças. Mas se o aluno não pode nem mesmo se arrepender de seus erros, como é possível fazer com que pare de errar? O sentimento de culpa é a base da recuperação moral de qualquer pessoa. Só psicopatas não sentem remorso. Um trabalho acadêmico que condena o necessário sentimento de culpa de alguém que erra não é exatamente uma tese de doutorado, mas um manual de formação para psicopatas mirins.

A tese de doutorado de Áurea Guimarães baseia-se em pesquisa de campo realizada a partir de 1987. Ela pesquisou um grupo de crianças e adolescentes que não eram regularmente matriculados como alunos, mas faziam atividades supervisionadas na escola, "cujo objetivo era ocupá-los e afastá-los dos 'perigos da rua'", segundo expressão da própria autora. Como se vê, a autora não reconhece os "perigos da rua" temidos pelos professores da escola pesquisada, uma vez que grafa a expressão entre aspas. É de se perguntar se as crianças de seu círculo social, os filhos de seus pares da Unicamp, passam o dia na rua, fazendo malabares nos semáforos, ou se estudam em escolas privadas, cercadas de muros e guardas, e os espera, depois das aulas regulares, uma agenda cheia de atividades, como natação, inglês, balé, música etc. A resposta é óbvia. Nenhum filho de professor universitário fica exposto nas ruas, porque, na vida real, fora do desatino de suas teses, os doutores universitários sabem que rua, para criança, é sinônimo de perigo. Só não reconhecem isso quando estão fazendo pesquisa "científica" sobre os pobres. É como se filho de pobre fosse vira-lata, natural das ruas.

Em seu contato com o grupo de crianças e adolescentes, Áurea Guimarães não demonstra nenhum distanciamento crítico. Cristã nova da seita sociológica de Michel Maffesoli (parece que já não tem a mesma fé na seita de Michel Foucault), ela adere ao conceito de "formismo sociológico" do intelectual francês, que se ocupa em elaborar uma "sociologia compreensiva que descreve o vivido por aquilo que é". Ora, essa sempre foi a grande meta da sociologia desde que ela se tornou ciência nas mãos de Émile Durkheim (1858-1917). O clássico As Regras do Método Sociólogo (1894) já tinha este objetivo — o de descrever a realidade da forma mais fiel possível. Mas o próprio Durkheim — que não era charlatão, como muitos sociólogos contemporâneos — reconhece que, na prática, isso é impossível. Trata-se mais de uma ética a ser perseguida do que de uma prática que garanta resultados. Entretanto, desde George Simmel, surge, a cada estação, nas universidades e botequins da França (se é que há diferença entre ambos), um novo teórico da sociologia que acredita ter solucionado os incontornáveis mistérios que alicerçam e fermentam as relações entre indivíduo e sociedade, mediante a simples criação de vocábulos novos, no mais das vezes, pomposos e vazios. Esses sociólogos não se comportam como cientistas — são chefes de seita. Uma vez que costumam ser escritores criativos, convencem muito mais pelo estilo aparentemente poético do que pela força dos argumentos.

No Brasil, sua força é ainda maior. Retórico desde as origens, como demonstra Antônio Luiz Machado Neto, no livro A Estrutura Social da República das Letras (São Paulo: Editora da USP, 1973), o intelectual brasileiro é facilmente influenciável pelo estilo alheio. Sobretudo os intelectuais incultos, que só tiveram contato com livros tardiamente. Muitos doutores universitários jamais leram os clássicos da literatura antes de entrar na faculdade, salvo o resumo dos livros indicados para o vestibular. Ao longo da graduação, tornam-se escravos das fotocópias, em que passam a ler apenas pedaços de obras técnicas. Só quando estão perto da pós-graduação, é que alguém lhes apresenta Guimarães Rosa e Clarice Lispector, sem que tenham passado antes por um Machado de Assis ou um Eça de Queirós. O resultado é desastroso. Qualquer frase um pouco mais enviesada, que manga da razão e deifica os sentidos, já é suficiente para obrigá-los a uma genuflexão cognitiva. Daí o sucesso de pensadores como Michel Maffesoli. Suas obras não são usadas como teoria científica, mas como espartilho ideológico — ou a realidade se encaixa na tese deles, ou ela não existe.

Em sua pesquisa maffesoliana, Áurea Guimarães não consegue "descrever o vivido por aquilo que é". Não só porque a tarefa é impossível em si, mas também por lhe faltar um mínimo de distanciamento crítico. Esquecendo-se que seu próprio guru prega o "politeísmo de valores", a autora acaba incorrendo na sociologia normativa que tanto combate, ao tomar o partido do grupo pesquisado e negar os valores do mundo circundante. Só que sua norma é construída pelo avesso: o certo é renegado como erro, e o erro é idolatrado como certo. Tanto que ela não hesita em acompanhar um bando de alunos em suas incursões predatórias pelos arredores da escola. E, pelo que se depreende de sua própria descrição, não o faz como observadora neutra, mas como torcedora participante, que não chega a jogar pedra, mas sorri para a mão que a atira. Duvidam? Então, constatem abaixo:


"Nos passeios que fizemos juntos, algumas crianças tocavam a campainha de algumas casas para pedirem comida e somente quem os maltratasse é que teria a casa depredada por eles. Aqueles que negavam a comida, mas os tratavam bem, não tinham suas residências 'marcadas' para serem depredadas. Os garotos e garotas me diziam que adoravam tocar a campainha de uma casa, abrir e bater um portão, às vezes até quebrá-lo, para depois sair correndo: 'Dá uma emoção'."


O trecho acima pode ser resumido numa frase: "Dá-me comida ou te depredo a casa". Era assim que as crianças e adolescentes agiam na frente de uma pessoa adulta, ainda por cima professora, que em nenhum momento as repreendeu quando incursionou com eles nessas aventuras. Pelo contrário, Áurea Guimarães justifica essa ética da chantagem textualmente, quando afirma que os pequenos vândalos só depredavam as casas em que eram maltratados. É a pedagogia do seqüestro: uma criança estimulada a depredar casas para obter comida pode achar correto, quando adulto, sequestrar pessoas para obter dinheiro. E é também a pedagogia da mentira, porque a própria autora desmente a si mesma. Logo depois de justificar a depredação das casas como reação aos maus-tratos, ela conta que os garotos e garotas adoravam tocar a campainha de uma casa e bater o portão até quebrar, para depois saírem correndo, deliciando-se com as emoções fortes do ato. Mas ela não havia dito que os alunos só depredavam a casa de quem os maltratava? Sem querer, ela confessa que depredavam por depredar, pela "emoção forte" do ato. Seu afã de minimizar a violência e indisciplina dos alunos é tanto que ela se contradiz a cada frase. E, nunca é demais frisar, essas contradições primárias não são obra de um jovem vestibulando — são da lavra de uma candidata a doutora, em sua própria tese de doutoramento.

Áurea Guimarães conta que, na escola estudada, os alunos inventaram o "futebol sem bola", que consistia em chutar quem estivesse por perto. Ela própria ficou com medo de andar no meio deles e sair ferida. Acabado o recreio, alunos suados — e alguns machucados — pediam mais tempo à professora para irem ao banheiro. A autora minimiza todo esse pandemônio, incompatível com o aprendizado, alegando que não se trata propriamente de uma briga, "pois os alunos pareciam estar se divertindo". A seguir, grafando "brigas" entre aspas, ela relata:


"Presenciei muitas 'brigas' não só no recreio, como também nas salas de aula, onde havia uma tensão permanente. Qualquer brincadeira ou comentário poderia ser interpretado como ofensa e daí para a briga corporal era só um passo. Quando terminei o estágio nessa escola soube de um aluno do noturno que, sem motivo aparente, pelo menos, tentou estrangular uma colega durante a aula."


Ao mencionar esse caso, quase não se percebe que se trata de um aluno que tentou estrangular uma aluna. Ao usar a palavra colega (substantivo de dois gêneros) em lugar de aluna (substantivo feminino), a autora induz o leitor a não atentar para o fato de que a vítima era mulher. A violência de gênero fica camuflada. Diante da gritante covardia de um aluno que quase estrangula uma aluna, Áurea Guimarães não faz nenhum comentário, mesmo tendo sido pródiga em comentários negativos a respeito dos professores da escola ao longo de toda a sua tese. A autora chega a aventar a possibilidade de haver desculpa mais profunda, não visível, para o agressor da aluna, quando escreve que a tentativa de estrangulamento se deu "sem motivo aparente, pelo menos".

A exemplo da Dra. Sueli Itman Monteiro, da Unesp, e da Dra. Eloísa Guimarães, professora aposentada da UFRJ e consultora da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (cuja tese sobre violência nas escolas será analisada aqui), Áurea Guimarães também menospreza a violência de gênero. O trecho acima é sintomático de uma tendência perniciosa da maioria das pesquisas científicas feitas por mulheres — a tendência de relevar e até mitificar a violência perpetrada pelos homens. É o que ficará claro na continuação da análise desta tese e na análise de outras teses acadêmicas.

22 comentários:

Ricardo Costa disse...

Atenção alunos da Unicamp:
Tiraram nota baixa, não gostam do professor, ou estão a fim de uma baderninha? Botem para quebrar! Arrebentem tudo!
A pedagoga da Unicamp vai limpar a barra de vocês quando a PM chegar para meter o cassetete em vocês!

Anônimo disse...

Esta senhora é uma psicopata, vive num mundo imaginário onde as regras são feitas por ela. Precisa urgente de um psiquiatra.

Anônimo disse...

A Constituição Federal - no seu artigo 206 e incisos II e III preconizando a concepção pluralista na educação, assim dispõe:

“Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: ... II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber; III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;...” (grifo nosso).

PORÉM ...

“Parece mentira que, na era da informação, quando justamente o excesso de informações constitui problema maiúsculo, exista e seja tão predominante este outro ruído, o dos ecos da ignorância.” Ivan Izquierdo, Neurologista.

"O maior drama da humanidade não é a maldade, mas sim o silêncio das pessoas boas que permitem que o mal ocorra e persista." Albert Einstein

NUMA AVALIAÇÃO perfunctória sobre a produção de livros didáticos, artigos e ‘teses’ – verifica-se que a maioria dos textos cuidam de fazer diagnósticos críticos e históricos – numa visão ideológica da educação – enquanto o mundo desenvolvido avança e busca eficácia e efetividade no processo de ensino/aprendizagem.

EMBORA A EDUCAÇÃO não seja uma panacéia para todos os males – ela é fator fundamental que favorece o desenvolvimento humano, estimula o crescimento econômico, inclusive permite que funcionem melhor as instituições republicanas e democráticas, porém quando a (des) educação desconhece o processo de formação de crianças e adolescentes e envereda para a nueva novíssima sociopatologia educacional em que passam a dominar ideólogos da educação e da cultura - verdadeiros impostores (a) (i) morais, da mentira do plágio, da falsidade, da defraudação histórica e das idéias políticas – estamos diante de um verdadeiro descalabro – cuja ÚNICA saída e fechar as escolas e construir mais PENITENCIÁRIAS.

A NOVILÍNGUA SOCIOPATOLÓGICA EDUCACIONAL se notabiliza pelas expressões binárias – de vincular classe dominantexdominada, ricosxpobres exclusãoxinclusão .... e demais claSsificaÇÕEs IDEOLÓGICAS como luta de classes, abolição da propriedade privada, ditadura do proletariado, materialismo dialético, materialismo histórico, coletivismo, absolutismo, anarquismo, aristocracia, autocracia, capitalismo, comunismo, igualitarismo, imperialismo, liberalismo, marxismo, marxismo-leninismo, maoísmo, monarquias, nacionalismo, colonialismo, oligarquias, populismo, socialismo, teocracia, totalitarismos – que não fazem mais que reduzir a capacidade de observação da realidade e limitar os diagnósticos necessários para encontrar alternativas que beneficiem a todos; e, assim preparam docentes que não precisam saber o que vão ensinar mas apenas bibliografias emanadas de usinas de pensamento pedagógico único e pouco operativo na formação cidadã para o mundo civilizado, DESTRUINDO-SE A EDUCAÇÃO pela orientação para o poder dos ‘pedagogos’ e para a barbárie das cobaias/alunos.

NO MUNDO GLOBALIZADO – baseado fundamentalmente na valorização do conhecimento, do talento e no desenvolvimento científico e tecnológico – a ciência, a tecnologia e a inovação são atividades vitais para o desenvolvimento de qualquer país, pois incidem diretamente desenvolvimento humano e no crescimento da economia, no desenvolvimento, na propalada ‘inclusão’ social, no melhoramento contínuo das políticas públicas, cultural e artística.

A LIBERDADE DE ENSINO/APRENDIZAGEM encontra-se entre os direitos inalienáveis da pessoa humana, e atentar contra seu livre exercício – não encontra amparo no Estado de Direito e em nenhum pais civilizado. Por isso a educação deve ser livre, pluralista e aberta a todas as idéias e correntes de pensamento, sem a contaminação tóxica das ideologias neo-regressivas totalitárias.

Confira os excelentes comentários sobre uma 'tese' de uma doutora/professora da UNICAMP no blog indicado.

Abs Rivadávia Rosa

José Maria e Silva disse...

Prezado Rivadávia Rosa,

Completo o teu diagnóstico da educação brasileira. E, sem dúvida, o mais grave é que a "sociopatologia educacional", para usar tua expressão, tornou-se hegemônica nas redes de ensino de todo o país. E rede de ensino, sem dúvida, tem de ser plural, espelho da própria sociedade.

Anônimo disse...

A esquerda fez e continua fazendo muito mal ao processo educativo no País. Quebrou a hierarquia nas escolas. Acabou com a disciplina e agora defende a depredação por parte dos alunos.
Que falta faz um Médici! Infelizmente é a verdade!

Djan disse...

Caro José Maria e Silva

Ganhaste um leitor.

Anônimo disse...

Meu Deus!
Vocês são semi-analfabetos?
Não tiveram interpretação de texto nem na escola, nem na faculdade pelo jeito.
Não tiveram aulas com pedagogas, no máximo tiveram educação em casa.
Só um conselham, façam melhor!
Abraços
Aluno de Pedagogia.

José Maria e Silva disse...

Caro Aluno de Pedagogia,

Acorda enquanto tens tempo, meu jovem. Depois será muito tarde. Os ideólogos da pedagogia, como Paulo Freire e seus discípulos, são como vírus — não apenas não ensinam nada como destroem no aluno a própria capacidade de aprender. Liberta-te deles o quanto antes.

Quanto a aprender em casa, a maioria das crianças aprende é em casa, mesmo quando freqüenta escola. Quando a escola pública funcionava, ela passava diariamente para o aluno o dever de casa. Por uma série de razões, isso acabou, infelizmente. Tanto que o professor Cláudio Moura e Castro, um dos mais lúcidos teóricos da educação no país, identifica na extinção do dever de casa um dos grandes males da escola pública brasileira. A escola privada funciona razoavelmente porque o adota até hoje. A escola é só um lugar de abastecimento do saber. O aprendizado se dá na vida, no interior da própria pessoa, que, no caso de uma criança, significa, sobretudo, contexto familiar.

Por fim, meu caro Aluno de Pedagogia, sê mais corajoso. O que te impede de se identificar, uma vez que teu comentário é uma crítica? Mais do que o elogio, a crítica é um ato autônomo, que exige a consciência do indivíduo, portanto, deve ter um caráter sempre autoral para ser ouvida com mais respeito. Os pedagogos não vivem falando de "autonomia do aluno" e "construção da cidadania"? A crítica é um ótimo lugar para se pôr em prática esses conceitos.

Provavelmente, tens medo de te veres nu diante da crítica, sem argumento algum, a não ser o espanto, como se indignação fosse sinônimo de pensamento. Tudo bem que não concordes com o que escrevo e com o que os comentadores escreveram, mas daí a dizer que somos semi-analfabetos há um longo caminho. Se puderes indicar no meu texto alguma frase em que me mostrei semi-analfabeto, ficarei muito grato a ti por poder corrigi-la. E o farei de público, dando-te os devidos créditos.

Obrigado pela leitura.

Abraços.

Anônimo disse...

Desculpe o momento lhe fazer perder o tempo com a resposta aos meus comentários, quando digo semi-analfabeto, não digo pela escrita e sim pela leitura, e quando digo ensino em casa não digo pelo fato de pais ensinarem mal, mas alguns pais em especial.
Quanto ao primeiro comentário, este é aluno da unicamp que sim tira notas baixas e que lê os textos dos então citados professores, sendo este ainda aluno de alguns deles, e que lhes afirmo a interpretação dessas teses está totalmente distorcida me lembrando muito um periodo recente da historia do qual o senhor deva ter tido o prazer de participar.
Do mais, não me identifico pois não quero meu nome em meio a isso.
Em breve terás noticias minhas e de tais professores.
Abraços
Aluno da Pedagogia.

Anônimo disse...

Prezado José Maria,

Como vai? Li seu texto sobre a obra da professora Áurea Guimarães, da UNICAMP, e como conheço vocês dois tomo a liberdade de fazer um breve comentário sobre o seu texto (li o livro dela, não a dissertação e tese).

Eu defendo a liberdade de expressão e opinião, que é um direito instituído juridicamente em nossa sociedade. Neste sentido, considero que você tem todo o direito de manifestar sua opinião e suas concepções filosóficas, políticas, pedagógicas e o seu blogo é um exercício louvável neste sentido.

Da mesma forma, defendo a liberdade da professora Áurea Guimarães de manifestar sua opinião, suas concepções políticas, pedagógicas, filosóficas, etc., e isto é louvável da mesma forma.

Sou contra a censura e neste sentido considero ser valioso a liberdade de opinião e expressão. Porém, é um tanto quanto problemático abusar desta liberdade, no sentido de usá-la no sentido de prejudicar outras pessoas. Não defendo como Vaneigen que "tudo pode ser dito", pois as palavras podem ser destrutivas e prejudiciais a algumas pessoas e algumas possuem os meios de comunicação, etc., que permite impor suas idéias àqueles que não possuem tal acesso. Então eu coloco a questão da ética, pois devemos manifestar nossas opiniões e concepções livremente, mas alguns princípios fundamentais devem ser seguidos, entre eles não cometer injustiças, não incentivar a agressão a indivíduos, etc.

Por isso, eu lhe diria que já li o livro da professora Aurea e considero uma das obras mais importantes publicadas no Brasil sobre a temática da violência que ocorre no espaco escolar. Eu discordo de alguns pontos e isso não me faz desconsiderar os méritos da obra. Considero que qualquer um tem o direito de concordar ou discordar e de publicar isso, fazer crítica a qualquer autor. Porém, eu chamaria a atenção para os princípios éticos que havia falado anteriormente, já que a liberdade deve ser acompanhada pela ética para ela não se tornar, no fundo, um impedimento da liberdade alheia.

Devo dizer que sua análise da obra tem pontos que eu discordo, em alguns casos por questão de concepção, em outros por questão de interpretação. Eu não vi na obra da autora nenhuma defesa da depredação escolar. O que a autora apresenta no livro é uma explicação das razões desta depredação, analisando, a partir de determinados referenciais teóricos, que podemos ou não concordar (eu particularmente discordo da obra de Maffesoli, embora há alguns textos e teses dele que são interessantes e utilizáveis e o mesmo vale para Foucault e não vejo nenhuma contradição entre a autora usar o pensamento deste e de outros pensadores, pois é plenamente possível um autor usar idéias parciais de outro e descartar outras idéias deste mesmo pensador, a não ser que não haja coerência no processo). Esta explicação é um diagnóstico, que podemos concordar ou discordar. Caso concordemos, então o que se deve fazer é não aceitar a realidade como algo dado (existe depredação escolar, esta depredação é provocada pela própria escola) e que deve ser mantida. Uma vez que a depredação escolar não abole as relações que a produz, então ela não deve ser exaltada e os próprios alunos devem ser alertados para isso e isso abre possibilidade destes alunos buscarem formas construtivas de superação da situação que provoca a depredação escolar, ou seja, realizar mudanças na escola para que ela não provoque razões para alunos a depredarem.

Além de alguns pontos de discordância com o seu comentário (inclusive ao falar de violência de "gênero",será que toda agressão de um homem em relação à uma mulher é violência de gênero? Se um policial bate numa manifestante mulher numa passeata é violência de gênero? E quando você diz que a maioria das pesquisas feita por mulheres ocultam a violência de gênero, não está realizando esta violência ao atribuir isso ao fatos das pesquisadores serem mulheres? E as pesquisas realizadas por homens? No caso desta concepção tão ampla de violência de gênero então seria difícil você encontrar textos de homens que também não fazem o mesmo ocultamento...), o que eu destacaria é a questão da forma como o faz e o que incentiva, inclusive olhando os demais comentários. A violência está presente em certas palavras utilizadas e comentários do tipo "arrebentem com tudo", "psicopata". Uma expressão como psicopata é uma agressão, uma violência, partindo justamente daqueles que criticam a violência dos alunos depredadores, o que é uma contradição. Veja o tipo de comentário agressivo postado em concordância com seu texto para observar isto.

Por fim, penso que se você concordar com parte do que escrevi, e se considerar que a liberdade de expressão deve seguir o princípio da justiça, então seria interessante repensar a forma enfática ao afirmar que a professora Áurea Guimarães defende a depredação escolar, por uma questão de justiça com a professora e com o texto dela. Veja que no livro dela, na página 152, ela afirma, retomando Maffesoli, que não pretende valorizar esteticamente a violência, e afirma, sobre a violência "podemos lamentá-la, combatê-la" e "nada há de mais legítimo", o importante é analisar e tabalhar a formação do professor para aprender a lidar com o conflito (veja principalmente páginas 151-153).

Eras estes os meus comentários,

Abraços,

Nildo Viana
Professor da UEG - Universidade Estadual de Goiás.

Anônimo disse...

Venho reforçar o dito pelo professor Nildo Viana. Concordo em gênero, número e grau. Sinto-me deprimido em ler que alguém acha que falta um Médici e, como pedagogo, por ver quão desrespeitada é a profissão de educador nesse pais.

Dizer que Paulo Freire e cia que estragaram a escola pública? Quem dera suas idéias tivessem adentrado mais profundamente nesse, tenso, terreno de disputa que define o currículo da escola pública. Quem manda na educação são os economistas, não me venham colocar a culpa na esquerda.

Falo pouco para não sobrepor as palavras do professor.

abraços,

Lucas Chaves, um sofredor estudante de pedagogia

Marcela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcela disse...

quanta besteira gera comentários de pessoas que não tem qualificação para discorrer sobre a educação, não?
O resultado das discussões de economistas, jornalistas e outros - pessoas que não tem a mínima formação para isto, mas se acham no direito opinar - sobre a educação é uma facada no peito, não somente dos pedagogos bem formados, bem como para toda a população que recebe depois estas idiotas teorias transformadas em práticas.

Fábio Mayer disse...

Eu morro e não vejo tudo.

O indivíduo que depreda escola por insatisfação, é o mesmo que anos depois vai matar a esposa porque ela quer se separar, ou jogar a filha pela janela por ela estar chorando... não preciso ser pedagogo para saber que educação e disciplina são coisas relacionadas, e essa liberdade extrema que se dá aos alunos de hoje em dia, alguns com a petulância de achar nos professores meros empregados seus, está transformando o Brasil num país violento, anárquico e o pior de tudo, BURRO.

Everaldo disse...

Zé,

esses pedagogos, heim? Isto é a prova de que o povo já chegou ao poder. Marxismo, lulismo e outros ismos que fazem as cabeças toscas. Pau neles amigo.

um abraço,

Everaldo Leite

Anônimo disse...

Vc é louco? pois, somente um louco e anti-libertário se presta a tal tarefa... além de não saber ler é claro, pois no afã de defender suas teses facistas deturpou a contribuição de uma respeitada professora...ocupe seu tempo com algo que vale a pena, tchau, facista.

Katia Regina disse...

Violência na escola...
Muitas teorias, discursos, teses,mas resolver os problemas ninguém consegue... Afinal a violência na escola é apenas mais um reflexo da sociedade cruel em que vivemos. O aluno violento, ele na maioria das vezes é violento, porque é essa a linguagem que reconhece, ele vive a violência, muitas vezes sente na pele todos os dias, o peso da agressão, mas isso não pode justificar mais violência, pois se este círculo triste não for quebrado nossa sociedade fatalmente sucumbirá...

Oswaldo Viana disse...

Caro José,

sugiro, se possível, que você bloqueie a publicação anônima de comentários. Afinal, vc está dando sua cara a tapa, e não tem por que deixar covardes escreverem à vontade por aqui.

Parabéns pelo seu trabalho!

Rogério Lucas disse...

Grande Zé,
Só agora descobri onde você anda destilando sua verve. Viro freguês, embora continue achando que este acadêmico com o qual você se ocupa é irrecuperável, além de muito chato.
Grande abraço e sucesso.
Rogério Lucas

Tulio disse...

Parabéns José Maria,

Seus comentários inteligentes, coerentes e verdadeiros são como uma pequena luz na escuridão da Educação deste triste e destruído país...

Leonardo Pradella dos Santos disse...

Mais um jornalista que se utiliza da moralidade decadente do senso comum e do trabalho dos outros para gerar algum bafafá. Não li todo o post, nem vou ler. Pois o que eu li já me bastou para comparar a alguns jornais sensacionalistas os comentários que tentam difamar a professora, apenas com um grau um pouco maior de erudição.

Na minha opinião, o vandalismo é legítimo pois é a aplição de violência real ao valor simbólico das coisas, enquanto que é uma resposta a aplicação de violência simbólica em pessoas reais.

Paulo disse...

Olá, José Maria e Silva. Seu texto é pretensioso, mas lhe falta argumentos para concatenar todos os recortes que se prestam a um determinado discurso amador e forjado em academicismo na sua publicação. O que vincula necessariamente depredação à violência? Depredação e agressão ao professor? Para que melhor apareça seu texto aos olhos, ouvidos e cérebros dos leitores, melhor se prestar à racionalidade alargada para além de sua escrivaninha. Como não acredito em ingenuidade de jornalistas e sociólogos, atribuo má intenção ao seu falatório.

faça um bom luto